Professor Marcelo Santos fala sobre acessibilidade na Internet no CEPID NeuroMat

Créditos: Célio Costa Filho / Wikimedia Commons / CC BY-SA 4.
Por Marília Carrera
Na quinta-feira (11.04), o Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão em Neuromatemática (CEPID NeuroMat) recebeu o pesquisador e professor do Programa de Mestrado em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero Marcelo Santos. Com projeto de pesquisa financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) dedicado a investigar a audiodescrição a partir da perspectiva comunicacional, Marcelo promoveu a reflexão sobre a importância de os pesquisadores pensarem a acessibilidade nos ambientes digitais.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil possui mais de 6 milhões de pessoas com deficiência visual. Com exceção de São Paulo e do Rio de Janeiro, o número de pessoas com nenhuma ou pouca capacidade de enxergar é maior que a população de todas as capitais brasileiras. Entretanto, o Brasil ainda precisa percorrer um longo caminho quando o assunto é acessibilidade à informação por pessoas cegas ou com baixa visão.
Marcelo destacou que o Brasil está atrasado em comparação com outros países em termos de audiodescrição, sendo Inglaterra considerado o país com a legislação mais avançada para a audiodescrição. Hoje as emissoras da televisão aberta brasileira precisam transmitir 6 horas semanais de conteúdo com audiodescrição, sendo que a legislação vigente prevê o aumento para 20 horas semanais até 2020.
Entretanto, Marcelo ressaltou a importância de os pesquisadores pensarem a audiodescrição para além das mídias de massas como a televisão. É o caso da Internet. O doutor em Comunicação e Semiótica com o trabalho A Linguagem Gráfica De Quem Não Vê: Imagens, Diagramas e Metáforas lembrou que as redes sociais são de difícil uso para as pessoas cegas ou com baixa visão e mencionou o projeto #PraCegoVer como uma iniciativa interessante para incentivar a audiodescrição em plataformas como Facebook e Twitter.
Em linha com a proposta do projeto de pesquisa desenvolvido pela equipe de difusão científica do CEPID NeuroMat Matemática Falada: Audiodescrição de Verbetes de Probabilidade e Estatística na Wikipédia, Marcelo afirmou que a audiodescrição é uma tecnologia importante não apenas para pessoas com deficiência visual, mas também para toda a população de um país marcado pelo analfabetismo funcional e pela cultura oral. É o exemplo do sucesso dos audiobooks no Brasil.
No entanto, Marcelo questionou a gramática norte-americana adotada pelo Brasil. O professor da Faculdade Cásper Líbero apontou pontos positivos como o papel da neutralidade para que as pessoas cheguem às suas próprias conclusões sobre o conteúdo ouvido e indicou pontos negativos como a limitação do discurso mecânico para produzir imagens acústicas ou imagens sonoras da realidade. Na visão de Marcelo, o trabalho da voz é essencial para a audiodescrição de imagens como obras de arte em um esforço de traduzir uma poética visual em uma poética sonora. O convidado do CEPID NeuroMat acrescentou que a arte é poesia e que a poesia foi feita para ser escutada, não para ser lida.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s