Como funciona a plataforma de consulta do Museu do Ipiranga

Saiba os detalhes de como funciona a plataforma de consulta do acervo do Museu do Ipiranga

Anúncios
Museu do Ipiranga
Fachada do Museu do Ipiranga, ou Museu Paulista da USP, em São Paulo (Crédito: Wikimedia Commons/José Marcos Oliva CC BY-SA 4.0)

* Por Giovanna Fontenelle

A parceria do NeuroMat com o Museu Paulista pretende carregar praticamente todo o acervo da instituição no Commons, a plataforma multimídia dos projetos Wiki. Para tal tarefa, recorre-se muito ao banco de dados do próprio Ipiranga, chamado de Icono, onde todas as informações sobre as obras do museu ficam reunidas.

Este banco de dados é a base da plataforma online do museu, que oferece a consulta gratuita de todos os itens digitalizados pela instituição ao público em geral. Algumas informações (como nome do autor, datas e dimensões, por exemplo) só são acessadas após a realização de um cadastro no site.

Além de ser a base da plataforma do público, o Icono também é o alicerce da plataforma interna do Ipiranga, que é utilizada pelos próprios funcionários e pesquisadores do museu, tanto para consulta, como para a identificação e a complementação de informações. Saiba mais sobre os detalhes internos deste banco de dados neste post.

A plataforma também tem sido essencial para a equipe do NeuroMat que está realizando as atividades na instituição, tanto para consultas online rápidas, como para a obtenção de todos os dados do conjunto de obras que temos carregado no Commons. É a partir desse reservatório de informações que coletamos em massa elementos como os títulos das obras, as suas medidas, os materiais utilizados nas suas composições e até os anos de criação.

A plataforma ainda é essencialmente importante para a aquisição do número de inventário (acervo) das obras, que funciona quase como um RG de cada item. E, também, das palavras-chaves, os termos que descrevem todos os elementos retratados nos objetos iconográficos do museu.

Apesar do Icono ser mais acessado para a visualização de imagens de obras de arte (entre pinturas, desenhos, mapas e fotografias), a plataforma também conta com a representação dos objetos do museu, como móveis, armas, roupas, jóias e outros. Nos próximos meses, a equipe NeuroMat pretende iniciar o processo de carregamento desses itens físicos do Ipiranga, que contam com mais de 30 mil arquivos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s