Encontros no NeuroMat: Osame Kinouchi compartilha sua pesquisa sobre atividades neuronais espontâneas

 

*Por Thais May Carvalho

No último dia 12 de junho, o professor Osame Kinouchi Filho veio da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto até a sede do CEPID NeuroMat, no campus da USP em São Paulo, para nos contar sobre a sua mais recente pesquisa: Self-organized critical balanced networks: a unified framework. Esse artigo foi feito em colaboração com os pesquisadores Mauricio Girardi-Schappo, Ludmila Brochini, Ariadne Costa e Tawan Carvalho.

Doutor em física e professor da USP de Ribeirão Preto, Osame está associado ao NeuroMat desde 2015, quando Antonio Carlos Roque da Silva Filho, um dos investigadores associados do núcleo, o convidou para integrar a equipe. Naquela época, Kinouchi já trabalhava com os neurônios estocásticos (também conhecidos como neurônios probabilistas), um modelo desenvolvido pelos professores Antonio Galves e Eva Löcherbach, dois dos principais pesquisadores do NeuroMat.

Porém, Osame e a sua equipe têm uma abordagem voltada mais para a área da física estatística, enquanto as pessoas da sede em São Paulo se concentram na parte mais rigorosa dos teoremas e da matemática.

O artigo mais recente de Kinouchi, publicado em junho de 2019 e tema da sua última palestra no NeuroMat, fala sobre a atividade neural espontânea, ou seja, quando os neurônios estão ativos mesmo sem receber estímulos externos. Osame explica que algumas dessas atividades espontâneas da rede são responsáveis por determinadas patologias, dando como exemplo a epilepsia.

Nessa pesquisa, criando simulações com neurônios simplificados, foi possível notar que num determinado ponto dentro do Modelo de Brunel (mais especificamente no ponto-balanceado) existem avalanches neuronais, que é um tipo de atividade que segue a mesma lei de terremotos de Gutenberg-Richter.

Para Osame, isso significa que dois grupos que não se comunicam entre si, que são a comunidade de redes balanceadas (grupo de cientistas que segue o Modelo de Brunel e não pesquisa as avalanches neuronais) e a comunidade de redes críticas (grupo de cientistas que trabalha com a rede de avalanches), agora podem se unir em torno desse novo modelo, que mostra que ambos paradigmas, na verdade, se juntam em um só.

Anúncios

Jornalismo Imersivo em Vídeos 360 Graus como Método de Divulgação dos Processos Científicos: o novo projeto do NeuroMat

Olá

Meu nome é Thais May Carvalho e sou formada em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Em junho, entrei para a equipe de difusão científica do CEPID NeuroMat com a bolsa do Programa José Reis de Incentivo ao Jornalismo Científico, da FAPESP.

Sob a supervisão do Dr. Fernando da Paixão e do João Alexandre Peschanski, que foi meu professor de Ciência Política no terceiro ano da faculdade, as minhas funções no NeuroMat são divididas em duas áreas: a prática e a teórica.

Para ajudar a divulgar o trabalho que está sendo feito aqui dentro, todos os meses será produzido um pequeno vídeo sobre as pesquisas realizadas no NeuroMat. Além disso, no final de novembro será divulgado um minidocumentário em 360 graus para mostrar como é o dia-a-dia dos pesquisadores da equipe que desenvolve o Cérebro Estatístico.

Já a parte teórica do meu trabalho será fazer um artigo para investigar como os vídeos em 360 graus funcionam como forma de divulgação científica. Essa nova ferramenta da comunicação ajuda a contar histórias sem a quarta fronteira, ou seja, diminuindo a distância entre o que é vivido pelos personagens e o espectador, criando assim uma maior imersão na narrativa. Como essa é uma área ainda muito nova no jornalismo (as primeiras produções em realidade virtual começaram no começo dessa década), ainda não há muita produção bibliográfica que aborde o uso do 360 jornalisticamente, em especial no jornalismo de divulgação científica.

Dessa forma, nós buscaremos explorar essa nova fronteira da comunicação, tentando aproximar o público, por meio dos vídeos em 360 graus, do trabalho que os cientistas fazem diariamente no NeuroMat.

Redes Sociais como Abordagem Terapêutica para Pessoas com Lesão do Plexo Braquial: o novo projeto do NeuroMat

IMG_20190506_144300285_HDR
Matheus Cornely apresentando seu projeto de pesquisa no NeuroMat

Olá!

Eu sou o Matheus Cornely Sayão. Sou formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Lìbero e atualmente estudo psicologia pela Universidade Anhembi Morumbi. Comecei a fazer parte da equipe de difusão do CEPID NeuroMat em Abril com a bolsa do Programa José Reis de Incentivo ao Jornalismo Científico, da FAPESP. Na equipe, minhas atividades práticas envolvem a difusão científica através das redes sociais, tais como Facebook, Twitter e Youtube, além de interações virtuais em rede.

No projeto de pesquisa, eu proponho investigar as dinâmicas de sociabilidade, temas, dificuldades e demandas que as pessoas com lesão no plexo braquial expressam quando conectadas em rede. A partir disso, minha pesquisa envolve tanto a coleta e análise de dados extraídos das redes sociais como a participação ativa nas comunidades virtuais consolidadas. O intuito da pesquisa será desenvolver estratégias de comunicação e melhorar a interação entre a iniciativa ABRAÇO e pessoas com lesão no plexo braquial. Tudo isso levando em consideração o papel que a internet e, em especial, as redes sociais possuem na reconfiguração das comunidades terapêuticas e na transmissão da ciência.

Uma revisão bibliográfica com artigos envolvendo empoderamento, abordagens terapêuticas e comunidades virtuais será, também, feita com o intuito de entender a gama possível de intervenções em comunidades virtuais terapêuticas e os benefícios da participação nesses grupos.

Através das instruções e supervisão dos professores João Alexandre Peschanski e Fernando da Paixão, minhas atividades serão:

  1. Elaboração de um artigo de pesquisa sobre o papel e a importância das redes sociais no contexto de lesão no plexo braquial, em vista de uma publicação acadêmica a ser submetida no contexto da bolsa;
    2. Publicar um artigo em um meio de comunicação de público amplo sobre o uso de redes sociais como abordagem terapêutica para pacientes com lesão no plexo braquial;
    3. Manter com pelo menos uma postagem por semana o blog “Traço de
    Ciência”, sobre difusão científica do NeuroMat, em língua portuguesa;
    4. Manter com pelo menos uma postagem semanal a página no Facebook da iniciativa ABRAÇO, com material relacionado ao trabalho de equipe;
    5. Participar com pelo menos uma postagem semanal em comunidades no Facebook, Youtube e Twitter.
  2. Captação, conceitualização e classificação de conteúdos postados pelos pacientes que sofrem com lesão no plexo braquial em redes sociais, com o intuito de produzir a publicação acadêmica a ser submetida no contexto de bolsa;
    7. Acompanhamento de formação em difusão científica com a realização de um Curso de Introdução ao Jornalismo Científico e de um programa de estudo específico elaborado pelo supervisor científico.

 

Critérios de autoria preservam a integridade na comunicação científica

* Por Lilian Nassi-Calò

A crescente demanda por transparência e abertura na pesquisa e comunicação científica tem por objetivo aumentar a confiabilidade e reprodutibilidade dos resultados publicados. A atribuição de autoria, por sua relevância nos processos acadêmicos de avaliação e recompensa, exige comprometimento, transparência e regras claramente definidas.

Continue Lendo “Critérios de autoria preservam a integridade na comunicação científica”

Como funciona a plataforma de consulta do Museu do Ipiranga

Saiba os detalhes de como funciona a plataforma de consulta do acervo do Museu do Ipiranga

Museu do Ipiranga
Fachada do Museu do Ipiranga, ou Museu Paulista da USP, em São Paulo (Crédito: Wikimedia Commons/José Marcos Oliva CC BY-SA 4.0)

* Por Giovanna Fontenelle

A parceria do NeuroMat com o Museu Paulista pretende carregar praticamente todo o acervo da instituição no Commons, a plataforma multimídia dos projetos Wiki. Para tal tarefa, recorre-se muito ao banco de dados do próprio Ipiranga, chamado de Icono, onde todas as informações sobre as obras do museu ficam reunidas.

Continue Lendo “Como funciona a plataforma de consulta do Museu do Ipiranga”

Revista Pesquisa FAPESP: Fluxos transacionais do conhecimento

*Por Fabrício Marques

Em estudo publicado em janeiro na revista Scientometrics, um grupo liderado pelo economista Eduardo da Motta e Albuquerque, pesquisador do Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da Universidade Federal de Minas Gerais (Cedeplar-UFMG), mapeou o crescimento das colaborações científicas. Observou-se que o número de artigos publicados no mundo, indexados na base Web of Science, subiu de 1,2 milhão em 2000 para 2 milhões em 2015 e ao mesmo tempo a proporção de papers escritos por coautores de países diferentes mais que dobrou, indo de 10% do total em 2000 para 21% 15 anos mais tarde.

Continue Lendo “Revista Pesquisa FAPESP: Fluxos transacionais do conhecimento”

Labjor, da Unicamp, organiza evento de divulgação científica de 24 a 26 de abril

Os alunos pós-graduação do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor), da Unicamp, organizam o 5º Encontro de Divulgação de Ciência e Cultura (EDICC 5). O evento será realizado entre 24 e 26 de abril, na Unicamp, e tem como tema “Ciência, tecnologia e cultura: resistir e transbordar”. Em relação as apresentações de convidados, elas serão divididas em três modalidades: Ouvintes, Comunicações Orais e Relatos de Experiência.

Continue Lendo “Labjor, da Unicamp, organiza evento de divulgação científica de 24 a 26 de abril”