Exposição NeuroMat: o que aprendi

* Por Giovanna Fontenelle

No contexto das atividades práticas da minha bolsa de Jornalismo Científico, está vislumbrado o registro das atividades da exposição entre o CEPID NeuroMat e o Parque de Ciência e Tecnologia da USP. Esses registros foram realizados ao longo da minha bolsa de diversas formas.

Em primeiro lugar, participei de várias reuniões com os membros do CEPID NeuroMat para decidir sobre o que falaria a exposição. Nessas ocasiões, tive a oportunidade de entender melhor as atividades e projetos científicos desenvolvidos pelo laboratório, principalmente sobre o Jogo do Goleiro e suas vertentes teóricas; e sobre o Córtex e as áreas de neuroanatomia e fisiologia.

Já em segundo lugar, participei de reuniões entre os membros do NeuroMat com a administração do Parque CienTec. Nessas ocasiões, consegui aprender muito sobre as condições das instituições museológicas de cunho público no estado de São Paulo, além de descobrir como se monta e projeta uma exposição de grande porte, principalmente ao ar livre.

Em terceiro lugar, também obtive a oportunidade de entender o processo e produzir de fato um catálogo de exposição. Além disso, ao produzir e acompanhar o registro em vídeo das reuniões, também desenvolvi e melhorei as minhas técnicas de edição de vídeo. 

Por fim, acredito que tive a oportunidade de expandir meus conhecimentos sobre as iniciativas museológicas, sobretudo em uma dimensão educacional não só acadêmica, mas como de caráter formativo também. Ou seja: a difusão e a passagem do conhecimento científico não só para pares, como também para crianças e adolescentes.

Anúncios

O local da exposição do CEPID NeuroMat

Parque_Cientec_da_USP_-_46
Entrada do Parque CienTec (Crédito: Wikimedia Commons/Joalpe – Own work, CC BY-SA 4.0)

* Por Giovanna Fontenelle

O CEPID NeuroMat realiza, atualmente, um projeto de exposição científica, com o intuito de atuar ainda mais na difusão do conhecimento em neuromatemática. No momento, a equipe NeuroMat está em negociação para decidir sobre o possível local do evento.

Por enquanto, o principal espaço sugerido para a iniciativa é o Parque de Ciência e Tecnologia da USP (Parque CienTec). Trata-se de um museu da Universidade de São Paulo, dirigido por Alessandra Fernandes Bizerra.

O Parque CienTec é uma instituição cultural e um museu a céu aberto, que tem como intuito atuar na difusão da ciência. A instituição atua nas áreas de física, meteorologia, microbiologia, geofísica e matemática. Seu foco é são crianças e jovens, estudantes do ensino fundamental e médio. Porém, também recebe pesquisadores e acadêmicos, que desenvolvem seus estudos no local.

As exposições projetadas no parque funcionam de forma interativa, com o intuito de despertar o interesse científico já na idade de formação educacional e profissional. O envolvimento do CEPID NeuroMat atuará justamente neste sentido, mas na área científica na qual atua.

No dia 15 de maio de 2018, membros do NeuroMat visitaram o Parque CienTec para conhecer os limites do local, assim como seus prédios e salas, com o intuito de estudar o melhor espaço para a exposição.

A visita foi fotografada e as imagens estão disponíveis nesta categoria da Wikimedia Commons.

A visita feita pelo NeuroMat no Parque CienTec

Parque_Cientec_da_USP_-_27
Alessandra Bizerra, diretora, apresentando a maquete do CienTec a Antonio Galves, Claudia Vargas e Giovanna Fontenelle (Crédito: Wikimedia Commons/Joalpe – Own work, CC BY-SA 4.0)

* Por Giovanna Fontenelle

A equipe NeuroMat, composta por Antonio Galves, Claudia Vargas, João Alexandre Peschanski e Giovanna Fontenelle, realizou uma visita ao Parque CienTec, no dia 15 de maio de 2018. O intuito da ida era conhecer a área e determinar se a exposição de difusão científica do CEPID NeuroMat poderia efetivamente tomar forma no local.

A visita também foi acompanhada Alessandra Bizerra, diretora do CienTec, e por Juan Ojea, artista plástico que desenvolverá os objetos da exposição.

Durante o percurso, os envolvidos conheceram vários prédios e salas do parque, além de ver o trabalho desenvolvido pela instituição. Com a visita, foi possível entender melhor a dimensão espacial que a exposição poderia ocupar.

Não houve uma decisão final sobre o melhor espaço para a exposição. Porém, na ocasião, foi criado o verbete da Wikipédia sobre o Parque CienTec, ainda em construção.

A visita foi fotografada e as imagens estão disponíveis nesta categoria, no Wikimedia Commons.

O projeto de exposição do CEPID NeuroMat

* Por Giovanna Fontenelle

No final de 2017, membros do NeuroMat, entre eles Antonio Galves e Claudia Vargas, investigavam maneiras em que o CEPID poderia contribuir ainda mais com a difusão científica e educacional. Desta intenção, surgiu a ideia de elaborar uma exposição, com o intuito de colaborar com a disseminação de informações sobre neurociência e matemática.

Meses depois, uma parceria foi proposta com o Parque de Ciência e Tecnologia da USP (Parque CienTec), museu da Universidade de São Paulo dirigido por Alessandra Fernandes Bizerra. A parceria culminaria na inauguração de um espaço expositivo e educativo, sob a curadoria do CEPID NeuroMat no Parque CienTec.

As exposições do CienTec funcionam de forma interativa, despertando o interesse científico na idade de formação educacional e profissional. O envolvimento do CEPID NeuroMat atuaria neste sentido, incentivando o interesse e a compreensão na área na qual atua.

Os objetos da exposição estão programados para compor, até o momento, três áreas expositivas. São elas o (1) córtex, (2) cérebro estatístico e (3) como fazer estatísticas sobre o cérebro.

O projeto da exposição está sendo montado por Antonio Galves, diretor do CEPID NeuroMat, professor do IME-SP e líder do projeto da Exposição NeuroMat-CienTec.

Também participam do projeto: Alessandra Bizerra, diretora do Parque CienTec e professora do IB-USP; Fernando da Paixão, coordenador de difusão do CEPID NeuroMat e professor do IF-UNICAMP; Antonio Carlos Roque da Silva Filho, coordenador de inovação do CEPID NeuroMat e professor da FFCLRP-USP; Claudia Vargas, pesquisadora principal do CEPID NeuroMat e professora do IBCCF-UFRJ; e Juan Ojea, artista plástico e consultor, que atuará no planejamento e construção dos objetos que comporão a exposição.

A equipe de difusão envolvida no projeto é composta por: João Alexandre Peschanski, supervisor de comunicação do CEPID NeuroMat e professor da Faculdade Cásper Líbero; Giovanna Fontenelle, jornalista e bolsista BJC-FAPESP no CEPID NeuroMat; e Célio Costa Filho, historiador e assistente de difusão científica no CEPID NeuroMat.