Finalizando o vídeo Mágica e Cérebro – 2

* Por Fernanda Volchan

O vídeo Mágica e Cérebro, com a participação dos pesquisadores Claudia Domingues Vargas e Marco Dimas Gubitoso e com o objetivo de explorar as relações entre mágica, ciência e a capacidade do cérebro de criar estatísticas e predições, já conta com os títulos iniciais e finais, com design de autoria de Sara Muller. Sara Muller, também responsável pelas artes gráficas do vídeo O Cérebro Estatístico.

O vídeo passa agora por uma revisão final, para certificar que todas as correções foram feitas e que o conteúdo apresentado esteja correto, claro, e coerente. Uma vez revisado será postado no canal do YouTube do CEPID NeuroMat para que possa ser visto e compartilhado por todos.

Facebook Insights

* Por Fernanda Volchan

Como foi dito em posts anteriores, a minha pesquisa atual sobre lives deixou de analisar os vídeos do Faísca da plataforma YouTube e passou a analisar os vídeos Faísca no Facebook, por terem em média mais visualizações o que facilita na hora de fazer a análise comparativa de dados.

Enquanto no YouTube eu estava utilizando a ferramenta YouTube Analytics para estudar os vídeos, o Facebook possui a sua própria ferramenta métrica para analisar o alcance de posts e vídeos: o Facebook Insights. Esta ferramenta inclui algumas métricas interessantes para analisar transmissões ao vivo, o que é extremamente útil para a minha pesquisa. É possível ver o número máximo de espectadores ao vivo em uma transmissão, tempo médio de visualização do vídeo durante a live e o alcance estimado que a publicação alcançou desde então.

Finalizando o vídeo Mágica e Cérebro

* Por Fernanda Volchan

O vídeo Mágica e Cérebro, com a participação dos pesquisadores Claudia Domingues Vargas e Marco Dimas Gubitoso e com o objetivo de explorar as relações entre mágica, ciência e a capacidade do cérebro de criar estatísticas e predições, está na fase final de produção.

O vídeo já está editado e revisado e aguarda somente o tratamento final de design e arte, que contará com os talentos de Sara Muller, também responsável pelas artes gráficas do vídeo O Cérebro Estatístico.

Do YouTube para o Facebook

* Por Fernanda Volchan

Como já foi dito em posts anteriores, a minha atual pesquisa teórica busca entender melhor as lives, analisando os vídeos da série Faísca, do Neuromat. Até então a pesquisa estava analisando os vídeos através da plataforma YouTube, porém, os vídeos do Faísca publicados no Facebook possuem, em média, um número maior de visualizações o que facilitaria a análise de dados.

Justifica-se, portanto, a mudança do foco de análise para a plataforma do Facebook. O foco da pesquisa continua o mesmo: explorar as características que influenciam no engajamento e no número de vizualizações em lives de comunicação científica.

YouTube Analytics

* Por Fernanda Volchan

Como já foi dito em posts anteriores, a minha atual pesquisa teórica busca entender melhor as lives, analisando os vídeos da série Faísca, do Neuromat. A plataforma YouTube disponibiliza uma ferramenta de denominada YouTube Analytics que ajuda nesta análise de dados de visualizações.

O YouTube Analytics permite que o usuário monitore seu progresso no sentido de atingir objetivos específicos, como aumentar o número de inscritos ou aumentar as visualizações de vídeos, e identificar o o que faz com que um vídeo tenha mais engajamento do que outro. Você pode fazer gráficos do desempenho geral de seu canal, identificando o número de assinantes que você ganhou durante um período selecionado, o número de visualizações que seus últimos vídeos publicados receberam ou o tempo total, em horas, que as pessoas passaram assistindo a vídeos em seu canal durante um determinado período.

Também é possível utilizar as métricas de público do YouTube para entender quem assiste seus vídeos. Você pode fazer uma estimativa do número total de pessoas que assistiram a seus vídeos em um determinado período (ao contrário das visualizações do canal, esta métrica não inclui múltiplas visualizações da mesma pessoa), fazer uma média de visualizações por espectador e até mesmo descobrir os dados demográficos do seu público. Essas informações ajudam a planejar o conteúdo voltado para os visualizadores ou criar conteúdo para um segmento que falta ao seu público atual.